domingo, janeiro 23, 2005

Nem os gajos ligam ao treinador

O que me preocupa é o desnorte que se verificou nos últimos minutos do jogo contra o Beira-Mar. Estava-se a ver.
A cena de ontem da águia é o espelho do que se passa no Benfica. Toda a gente já está farta do voo da Vitória. Toda a gente já percebeu que um dia ela passa-se e desata a voar pelos céus de Lisboa ou cega um gajo. Mas não... São teimosos... Manda vir a águia. Se não veio durante o jogo, vens no intervalo. Antes o milhafre, que não era águia nenhuma , e não voava. Ao menos, não chateava.

Quando se está em descontos, é normal ir tudo para dentro da área. Mas a equipa do Benfica passou-se ainda faltavam uns 20 minutos para acabar o jogo.
Ninguém estava no sítio certo. (tirando o Paulo Almeida, que estava no banco). O Luisão era extremo-direito (acho que, dentro do plantel, é que faz melhores centros), o Simão recebia a bola do Quim à entrada da área, o Giovanni estava onde não devia estar, o Nuno Gomes era trinco, o Álvaro espumava ao pé da bandeirola de canto e por aí fora. Só o Quim ficou no lugar dele.

Quem não tem dinheiro não tem vícios. Nós não temos dinheiro. Não podemos ter vícios. Agora não nos venham mandar areia para os olhos:
- Setembro: o plantel é bom e em Janeiro ninguém entra e ninguém sai.
- Dezembro: vamos ao mercado e temos de fazer ajustamentos.
- Janeiro:não há dinheiro, o melhor é fazer umas negociatas com os russos.

O único (e é o melhor porque é o único) 10 do plantel (Roger) só joga em Fevereiro porque precisam de um mês para perceber que ninguém dá mais que dois contos e quinhentos por ele. Um bom trinco (Ednilson) não joga porque tem o empresário errado.

É a instituição. Mas não é o Benfica.
Sugestão: BAZEM!