segunda-feira, janeiro 24, 2005

O negócio Nuno Assis

Já treinou, mas não foi apresentado. Pertence ao plantel, mas não pertence à instituição. O passe é do Fedorichev, mas nunca jogará pelo Dínamo de Moscovo.

A história da vinda de Nuno Assis para o Benfica vai bater o record (nojo!, tive de escrever o nome do pasquim lagarto) mundial de contradições.
E olhem que o anterior record (outra vez !) tinha sido vivamente disputado entre a aquisição do Roanld Garcia, esse monstro do futebol boliviano, e a mítica sucessão de discursos do nosso presidente ("Daqui a três anos seremos maiores que o Real Madrid; vamos ter, «nomeadamente», 500 mil sócios; «há-dem» ver que o cartão Benfica vai mudar a instituição; Abutres, abutres, abutres").

De qualquer maneira, já treinou. Parece que ainda não joga com o Sporting. Afinal, queriam que o Benfica jogasse com um número 10? Nãoooo. temos de lhes dar hipótese. Nem Roger, nem Assis, nem ninguém. Se der para o torto, mete-se o Mantorras, a ver se ele faz alguma coisa e não se lesiona, ou então culpa-se o árbitro.
Seja qual for o resultado, o nosso presidente é sócio do clube (e da instituição) que ganhar.

O Assis custou 600 mil euros, mais um jogo com o Guimarães. Quantia louca, inacessível para os cofres da Luz. O amigo russo ajudou. Os contactos do Veiga não falham. Palavra. Sabe muito de futebol. Que o digam o Riccardo Rocha, o Tiago, o Figo e o Jardel. E, ainda por cima, o Veiga gosta do Benfica. Adora a instituição. Desde pequenino.