segunda-feira, outubro 22, 2007

Jorge Baidek

Logo de manhã ouvi na rádio que o LFV tinha ido ao Brasil com o Jorge Baidek !? ver jogadores. Espero estar a ouvir muito mal. Só espero é que se o Camacho levar um barrete que bata com a porta para os sócios ver se acordam.

No jogo da Carlsberg deu para ver o Benfica bem mais dinâmico que o habitual. O Benfica melhorou e muito desde o jogo na Amadora, em especial na primeira parte.

Para já deu para actualizar a lista de dispensas. O jogo teve bons momentos mas há que destacar pela negativa a ala esquerda o Coentrão e o Miguelito. Mostraram que formam uma ala esquerda que mais parecia um peneiro, a certa altura os dois pareciam que tinham sido peneirados. O Coentrão mostrou momentos de garra mas a um jogador destes pede-se dominio da bola e pelo menos um drible em 45 minutos. Chego à conclusão que os jogadores da Nova Zelândia devem ser todos coxos. Aos dois ponha-os num plano de musculação a sério até ao fim da época.

Por falar em coxos, o Mantorras mostrou que continua a coxear. Neste momento é mais um candidato a ser dispensado, o melhor é pagar-lhe os anos de contrato que lhe faltam pois muito dificilmente poderá jogar noutro clube de futebol. A esperança ainda não morreu mas tal como ele anda coxa.

Já é a segunda vez que o Bergessio mostra dificuldades em chutar à baliza. Que alguém lhe diga que não há problema em rematar fácil à figura do guarda-redes, às vezes passa.

Para mim o Adu não mostrou nada de especial mas espero que agora tenha garantido um lugar no onze que vai a Setubal, num estilo atabalhoado ainda conseguiu driblar o lateral direito do Setubal e fazer um centro. E proporcionou-me o gozo especial de ver o comentador da RTP a engolir mais uma semana sem derrotas do Benfica. Obrigado Adu !

Para já em Dezembro há que encontrar clube para:

R Ribeiro, Miguel Vitor, B. Costa, Coentrão, Miguelito, Diaz, Luis Felipe

E se não voltar a acertar na baliza:

Bergessio

Para poupar dinheiro talvez o But, e caso não ganhe a titularidade o Zoro.

Se passarmos em Setúbal o Adu pode ficar para jogar na taça Carlsberg. O N. Assis também poderá ficar caso não volte a perder uma bola de calcanhar e consiga tocar uma vez na bola com o pé esquerdo durante um jogo de futebol.

sexta-feira, outubro 19, 2007

Luis Felipe e entrevistas

O Luis Felipe nunca deveria ter entrado no Benfica.

Mais um caso em que o barato sai caro, provando-se mais uma vez que o ex-engenheiro tem um faro para jogadores. Foi a contratação mais caricata do defeso, o mesmo engenheiro que o dispensa como extremo contrata-o para lateral e coloca-o a jogar como extremo. Na última entrevista ao correio da manhã mostra que está cheio de vontade para ir jogar no PAOK, cumprindo-se o destino:

“Uma mudança de treinador nunca é boa para uma equipa. Já tinha feito a pré-época com Fernando Santos, já tínhamos um modelo de jogo e uma filosofia diferente. A mudança prejudicou-me a mim e a todos os outros”

”Emprestado? Não. Já atingi um certo nível de maturidade, uma determinada idade e não vejo razão para ser emprestado. Essa situação não faz sentido e não me passa minimamente pela cabeça. Só penso em atingir os níveis que atingi no Braga”

Assobiá-lo !? nem pensar continuo com esperança que capaz de falhar menos de 10 passes por jogo. Eu também não vejo razões para ser emprestado, o melhor mesmo é vende-lo (ou da-lo) a um clube Grego.

Já o pouco que li da entrevista do Camacho mostrou que temos homem. Pode ser uma grande merda mas uma pessoa le a entrevista e só dá vontade de ir à janela gritar Benfica!

Por falar em entrevistas e declarações, o nosso presidente continua a dar pontapés na própria cabeça ao falar cedo demais sobre coisas que não fazem sentido no momento actual. Caso o Camacho não faça um grande favor ele não está mais do que por o seu rabo a jeito para um grande biqueiro !

quinta-feira, outubro 11, 2007

Avança a verdade

Parece que a FIFA e o International Board começam a sair da caverna pré-histórica onde se encontravam. As notícias de que, finalmente, serão introduzidas algumas alterações à forma de apitar os jogos de futebol vêm responder aos anseios de quem, efectivamente, quer a legalidade no futebol.
Todos estamos fartos de ver a vergonha que inundou o futebol português nos últimos 25 anos ou de ver equipas como a Coreia do Sul ser levada ao colo no Mundial de 2002 ou o Barcelona ganhar a Liga dos Campeões por decreto.
Acredito que grande parte da popularidade deste jogo reside no facto de, por um lado, as suas regras serem muito simples (talvez com a excepção da lei do fora-de-jogo) e, por outro, ser muito fácil de jogar. Não há grande material para comprar (apenas uma bola) e em qualquer lado se consegue jogar.
E aqui reside um pormaior que não deve ser esquecido. Não é preciso um árbitro para se jogar futebol. Quando os amigos jogam, não há árbitros; no início do futebol (século XIX) não havia árbitros, eram os capitães que resolviam, por consenso, lances mais duvidosos. Só recorremos aos árbitros porque o ser humano, infelizmente, é enganador e dissimulado. Por isso, um recado aos iluminados: percebam que os árbitros são um elemento acessório ao futebol. E por acessório quero dizer dispensável.
O erro faz parte do futebol. Mas é o erro do Nuno Gomes ou do Quim. Não é o do árbitro. Porque ninguém precisa de um árbitro. Se podermos retirar o erro do árbitro (propositado ou não), devemos fazê-lo.
A introdução de chips, de mais árbitros, de imagens televisivas para esclarecimento de dúvidas são avanços. E para quem tem dúvidas, outro argumento. Se não for possível fazê-lo em todos os jogos, que o façam em alguns. Prefiram ter verdade desportiva em alguns jogos do que não ter em nenhuns.

Só não percebo quem está contra estas iniciativas. Todos queremos que a verdade frutifique.

terça-feira, outubro 09, 2007

Sou pela ilegalidade

Opto pelo politicamente incorrecto. Acho muito bem que as claques do Benfica resistam à tendência legalizadora e hipócrita do futebol de hoje em dia.

A lei não obriga as claques a legalizarem-se. Apenas proíbe os clubes de prestarem apoio a claques que não se registem. Ora, se as claques não o fizerem, tomam uma decisão por sua conta e risco. Além disso, apenas estão proibidos de entrar nos estádios símbolos racistas, políticos, religiosos e por aí fora. Os símbolos de clubes, empresas e de associações podem entrar. Eu, de 15 em 15 dias, entro no estádio de cachecol e camisola. Trago símbolos do Benfica, da Vodafone e da Adidas no corpo. Nunca algum responsável de segurança me disse que não podia entrar. Então porque raio as claques do Benfica não podem trazer as suas faixas e bandeiras para o Estádio?

O Governo – principalmente um secretário de Estado badocha –, autista perante tantas situações que doiram de vergonha o nosso futebol, quer mostrar serviço. Quem paga? As claques. Fazendo força para que os clubes as obriguem a registar, a delatar mesmo, o nome dos seus elementos. Porquê? Isso dá mais segurança a alguém? Claro que não. Quando uma das claques «legalizadas» são os Super Dragões, percebemos o grau de hipocrisia a que chegou esta discussão. Uma claque que rouba nas proximidades dos estádios com a conivência (ou impotência) da polícia, que invade estádios sem bilhete comprado, que pilha, que publica em livro todos os crimes que comete e nada lhe acontece pode ser legal?

Às direcções dos clubes (a do LFV incluída) também interessa esta situação. Controlando as claques, controlam uma franja importante de adeptos, controlam contestações e desviam atenções. Porque são as lojas dos Super Dragões que vendem merchandising do FCP? Porque nada aconteceu a quem incendiou o carro do Co Adriaanse? Que papel teve a Juve Leo na queda do Dias da Cunha e quais as ligações do Miguel Salema Garção – agora director de comunicação do SCP, anterior director de comunicação dos CTT, nos tempos de Horta e Costa – a esta claque? São perguntas cuja resposta pode ajudar a perceber muita coisa.

Por tudo isto estou com os No Name e com os Diabos (se ainda existirem). Resistam. Este futebol de merda que temos há duas décadas passará e os clubes ficarão. As claques não existem para organizar colóquios ou vender merchandising na net. Isso é para os mamones que querem ganhar à conta.
As claques existem para apoiar os clubes. Para gritar. Para chorar. Para lutar, se for preciso. Que saudades do tempo em que não tinha de aturar lagartos e tripeiros ao pé de mim no Estádio da Luz. Agora, pago cativo (lugar reservado para sócios) e tenho de aturar gente dessa ao pé de mim. E não posso fazer nada porque «temos de ter fair-play». Puta que os pariu. Saiam de ao pé de mim. Saudades do antigo estádio. Da chuva no pelo. Do frio do cimento. Estou farto de ver os olhares que dizem «Já paravas de gritar. Estás a incomodar-me».

segunda-feira, outubro 08, 2007

Desabafo

Que todos os comentadores de bola das televisões e das rádios que coloquem os dois avançados, o losango, a táctica e os pivots defensivos pela peida a dentro, e que magoe. Para os que lhe tomem gosto podem também colocar o mau momento do Benfica.

Só espero que o Pavão continue a inchar e que quando a bolha rebentar ele que voe para bem longe e que leve o PC consigo.

Segundo o LFreitaBobo o Cardozo é um jogador posicional que procura o pé esquerdo e que precisa de ter um avançado de apoio. Claro um tipo nasce como nasce e não vale a pena procurar trabalhar para melhorar os seus aspectos menos positivos. Aos 23 anos o melhor mesmo é encharcar-se em valium, comprar uma televisão e passar o tempo a ver jogos do futebol sul americano.

O tabu que o Camacho não consegue dar a volta aos resultados já foi destruido. Agora só falta colocar a equipa a jogar em tetraedro para ir o tabu de que não sabe de táctica.

Os nossos treinadores são tão bons que das últimas vezes que estiveram ou acabou tudo à batatada ou acabou tudo nas putas. Depois queixam-se que o Scolari anda a perder a paciência.

Nuno Assis júnior

O jogo de ontem foi uma espécie de Nuno Assis com idade de júnior. A exibição foi razoável e permite-nos acreditar que do futuro podem sair coisas boas. Mas há um sabor agridoce que, ao mesmo tempo, nos vai dizendo que isso será muito difícil.
O golo sofrido foi a destempo. O jogo mal tinha começado. O Leiria acusou a pressão (e o cansaço) de ter jogado em alta intensidade na quinta-feira, mas são azares que acontecem a quem quer jogar na Europa. Nós também tivemos de substituir o Léo e ninguém chorou por isso. E começo a análise do jogo com essa substituição. O Camacho surpreendeu-me: não foi teimoso – jogou com 2 avançados – e ganhou o jogo na substituição do Léo.
Sobre os dois avançados. Acho que é uma falsa questão. Jogar com o Cardozo, neste momento, é errado. Ele está fora de forma e com claras limitações tácticas. Acredito que este paraguaio, quando começar a jogar, vai ser caso sério, mas até lá…. Devem jogar os melhores. E foi por isso que o jogo também começou a ser ganho com Di Maria no banco. Outro que nos vai dar muitas alegrias, mas para já, deve crescer no Seixal e ir entrando aos poucos. Até porque dá espaço ao Bynia. Estamos a viver um autêntico drama que é a ausência do Petit e só não a notamos mais por causa deste camaronês de braços fortes.
Jogo jogado? Muito querer, pouca capacidade. Um Nuno Gomes à antiga, a marcar um golo igual ao da Naval e um segundo igual tirado a papel químico de tantos movimentos assim que ele já fez com eficácia. Confiança, chavalo. Apesar de tudo, és, neste momento, o nosso melhor avançado. Leo muito cansado e o lado esquerdo (quem diria?), um autêntico passador. Até porque o Cebolla, o nosso melhor jogador, defende pouco e mal. Para hoje chegou. Agora, 15 dias para recuperar lesões, forças e cabeça. Acredito que podemos perfeitamente ser segundos e recolher silverware lá para Março ou Maio. E isso também é importante. O resto logo se vê.

Nota final. Ontem, foi um roubalhanço enorme. Não tanto pelo penalty do Nuno Gomes. Um erro todos têm. Mais pela sucessão de pequenos erros. Faltas sobre o cardozo constantes, lances duvidosos nas áreas, foras-de-jogo mal tirados e no fim aquele livre de ir às lágrimas. Felizmente, a minha televisão ainda está intacta. Falhei por pouco… Parecia o Nuno Gomes.

quinta-feira, outubro 04, 2007

Super Bin

Do jogo de ontem ficou a nova táctica do lançamento pela linha lateral. Será que é possivel marcar um golo assim de forma directa !? É que se dá é tentar pois com os pés e a cabeça está dificil.

O Cardozo mostrou que é melhor que o Gomes desde que entre de inicio, e o Gomes mostrou que vale tanto como o Cardozo quando vem do banco. Os dois juntos de cabeça não valem um chavo.

Estou a ficar farto do Rodriguez e já não tenho paciencia com o Di Maria. Por mim ficava no banco até aprender como é que se joga com a equipa.

Não gostei do Katsouranis, teve uns bons passes mas depois teve dois ou tres passes de merda, e um em particular que deu golo.

O jogo nem foi assim tão mau, e os ucranianos não são superiores. Não percebo é como os jornais não falam da actuação do árbitro que espoliou o benfica em mais de 10 minutos.

Como o Camacho quer continuar a trabalhar aqui vão umas ideias para os treinos:

1) Cardozo: 1.30 h a cabecear por dia da parte da manhã, 1.00 de remate com pé-direito à tarde e 30 minutos de sprint com a treinadora de atletismo.

2) Di Maria: Proibido de driblar só podendo dar no máximo dois toques na bola com o pé-direito.

3) Rodriguez e Leo a terem de estar sempre numa distância superior a 5 metros, já mete impressão as tabelas que fazem um em cima do outro no meio de 4 jogadores adversários.


Há que continuar a tentar ! Agora só espero é que o Maxi jogue a lateral, que a extremo jogue alguém que não seja o Di Maria (outro qualquer sem ser o Assis ou o L. Felipe) e o Super Biniya no meio pois infelizmente não há melhor.

Quanto ao LFV espero que continue calado.

Um enorme F**** para isto tudo

Jogo muito difícil e que acabou da pior forma possível. Já não bastava a derrota e ainda tive de mamar com os golos do Celtic e Porto no último minuto para pontuar aquele final de noite de Liga dos Campeões.
Casa meio-cheia a mostrar que a malta está descontente e assobios à terceira perda de bola. Por falar em público e apoio, dois apartes. O primeiro para os milhares de frustrados que vão à Luz. Porque gastam tanto dinheiro para ficarem irritados? Porque são capazes de dizer mal de um jogador porque passa a bola para a direita e a seguir porque ele passa a bola para esquerda. Tudo está mal, tudo não presta, tudo é merda. Enfim…
O segundo, para as claques. Os No Name estão de parabéns. Numa partida em que o pior jogador em campo foi o público, esta claque deu mostras do que é o amor ao Clube e o que é o apoio incondicional. Não se legalizem e continuem como são. Para o bem e para o mal. Só tenho pena que os Diabos continuem em crise. As saudades que tenho da final da Taça de 1986.…
E o jogo? Não jogamos bem, mas não concordo que estejamos a jogar tão mal como tanta gente pinta. Sinceramente. Vê-se que a equipa quer, mas não consegue. Alguns jogadores importantes estão a ganhar forma (Luisão) e outros estão de fora, como o Petit, o Simão e o Micolli (não resisti a fazer esta piada). Obviamente, a equipa está intranquila. Obviamente, o Di Maria, com 19 anos, não consegue resolver como o Simão fazia aos 26. Para os deficientes mentais que criticam o Cardozo, ficam a saber que ele é mesmo bom avançado. Mas, como diz o Cebolla – que jogador do caraças! - «os sócios têm de perceber que os assobios não ajudam». Falhamos na cara do golo, ficou um penalty claro por marcar e o árbitro foi um grande cabrão nos últimos 15 minutos. Independentemente disso, uma equipa que se quer grande teria ganho este jogo na mesma.
Apenas me parece que o Shaktar é melhor equipa que o Benfica. São melhores. Pronto. E que, em condições normais, vamos ficar em último no grupo.
Há razões para alarme? Não!
Eu quero ser campeão. Temos de ganhar em Leiria e aproveitar os 15 dias de selecção para trabalhar, treinar, recuperar o Petit e, sobretudo, sorrir. Nenhuma equipa do Mundo ganha se não sorrir, se não estiver feliz a jogar à bola. Já repararam que o Ronaldinho só joga bem quando se ri em campo? Que o Mantorras tem um sorriso fácil de quem vai virar a partida na próxima jogada? Pois é! O sorriso é sinal de que se vai ganhar. A equipa do Benfica não sorri. Os sócios na bancada não sorriem. Está na altura de sorrirmos, de acreditarmos. Até porque acho que a equipa é muito melhor do que aquilo que tem mostrado.

terça-feira, outubro 02, 2007

Muda de ice tea

Está na hora de os Benfiquistas eliminarem por completo o Fernando Santos que ainda reside dentro de nós. O Derbie foi uma merda, mas pior foi a falta de apoio do público que anda com medo.

Do jogo gostei do EdCarlos que teve uns bons cortes, do Rui Costa que joga à Benfica e do Rodriguez. A precisar de entrosamento esteve a dupla Maxi, Katso, os dois precisam de ritmo de meio campo e de conhecerem o jogo um do outro. O Quim está neste momento num nivel superior a qualquer outro jogador, é um grande desperdicio não estarmos a aproveitar com vitórias este seu grande momento.

O Luisão não esteve bem mas quando o patrão estiver de volta vai-se notar a diferença nesta equipa. Tem de haver uma melhor entrosamento entre nas alas entre os defesas e os atacantes. Os jogadores tem de se conhecer e de criar um verdadeiro espirito de grupo.

Quando uma arrancadas do di Maria para a grande àrea adversária der golo espero que a fasquia se mantenha a esse nivel.

Quanto aos ponta de lança é triste verificar que o N. Gomes continua a ser o melhor que temos. O ano passado acertamos com o Micoli e deixamo-lo ir, este ano o Cardozo está-se a revelar tristonho, lento, pouco combativo, sem jogo de cabeça e pé direito. Espero que haja um milagre e que as coisas se componham.

Precisamos de duas vitórias, uma na liga e outra na bwin para a equipa e os adeptos ganharem confiança. O jogo em Milan até não foi mau mas deu cabo da auto.estima dos jogadores, Há que mudar isto.

Como Benfiquista que sou oscilo entre não acreditar que o coxo vai voltar a fazer alguma coisa e ter fé que o Mantorras ainda é capaz de fazer alguma coisa sem coxear. Gostava ainda de ver um golo esta época, dava esperança a todos os coxos deste mundo, eu incluido, de continuarem a acreditar.

segunda-feira, outubro 01, 2007

Sai outro Fernando Aguiar

A verdade, que todos querem esconder, é que se o Jesualdo não fizer uma segunda volta à Jesualdo, o FCP ganha o campeonato com uns 20 pontos de avanço.

O empate fica bem a este jogo. A equipa não dá mais e o treinador tem medo. Medo de quê? Não sei. Nunca vi o JAC como um treinador medroso. Fraco tacticamente, mas com cojones. Provavelmente, não conhece nem acredita muito na equipa. A defesa continua em condições, com um Quim em super-forma. O ataque continua desinspirado, com um Nuno Gomes inacreditável. Ou melhor, habitual. Porque não podem jogar o 21 com o 7? Contra um SCP que, aos 60 minutos de jogo, saiu do campo, sem qualquer capacidade física para discutir bolas a meio-campo.
Muita bola, pouca profundidade, um Di Magia a mostrar que tem apenas 19 anos, um Maxi Pereira muito importante, um Katsouranis espectacular e um Rui Costa fora do jogo. Na segunda parte, a entrada do Cardozo e a saída do Cebolla podia ter resolvido uma partida. Sobretudo quando sabemos que, se calhar, bastava um remate com força para o novo Ricardo ficar aos papéis.
Resultado mau, perante uma equipa que joga tão mal como nós. E que esteve à nossa mercê durante meia-hora.

Por fim, o que todos querem saber. Eu acho que fomos prejudicados.
Katsouranis sobre Romagnoli, não há penalty. O Pipi nem esboça um protesto.
Bola em Katsouranis, não há penalty. É bola na mão. Que querem que o Katsou corte o braço? Quês e desvie para bola passar? Nada disso.
Moutinho sobre Adu. Falta dentro da área.

Vinha para casa, a ouvir o Paulo Bento (gajo esperto) na rádio e pensei para comigo. Pronto… Está a discussão armada. Com esta conferência de imprensa está condicionada a discussão do jogo aos lances polémicos. Deixamos de discutir o que realmente interessa. Que estamos a 8 pontos do FCP (e o SCP está a 7). E os sócios preferem insultar-se e insultar o Pedro Henriques que pedir responsabilidades aos dirigentes por terem plantéis da treta e aos treinadores por serem um medrosos do caraças.